Posts

É possível aprender a ser feliz? Estudar a felicidade como uma ciência? De acordo com o professor do curso mais concorrido de Harvard, Tal Ben-Shahar, a resposta é: Sim, sem dúvida.
Ele conta que após ter lançado o curso, a primeira pergunta que as pessoas o faziam era: “Você é feliz?”. Afinal, alguém que se propõe a ensinar como ser feliz deve obviamente ter uma resposta afirmativa para esta questão.
Entretanto, aqui está o que ele escreve em seu livro “Aprenda a Ser Feliz” em relação a esta pergunta…
Embora bem-intencionada, essa é uma pergunta que não ajuda. Como é que determino se sou, ou não, feliz? Em que ponto exatamente é que fico feliz? Existe algum padrão universal de felicidade e, se existir, como é que eu o identifico? Isso depende da minha felicidade relativa aos outros? Se for assim, como é que eu meço o grau de felicidade dos outros? Não há como responder de maneira absoluta a estas questões e, mesmo que houvesse, eu não seria mais feliz por isso.
“Sou feliz?” é uma pergunta fechada que sugere uma visão limitada de nossas vidas: ou somos felizes ou não somos. A felicidade, de acordo com esta abordagem, é o fim de um processo, um ponto finito e definível que, quando atingido, significa a conclusão da nossa busca.
Este ponto, contudo, não existe. Ninguém é capaz de determiná-lo com exatidão. E pior que o fato de nos agarrarmos à crença da sua existência só irá nos levar a um destino de frustração e incompletude.
Por outro lado, podemos sempre ser mais felizes, pois ninguém está em perfeito êxtase em todas as ocasiões sem ter mais a que aspirar. Portanto, em vez de se perguntar se é ou não feliz, faça uma pergunta mais inteligente: “Como é que posso ser mais feliz?”.
Esta pergunta reconhece que a felicidade é um processo contínuo e um ponto específico. Minha meta é ser mais feliz hoje do que ontem e mais feliz amanhã do hoje.
Em vez de nos sentirmos decepcionados porque ainda não atingimos à felicidade, em vez de dissiparmos as nossas energias tentando medir o nosso grau de felicidade, precisamos reconhecer que a felicidade é um recurso que nunca acaba e por isso podemos sempre buscar mais.
Ser mais feliz é uma missão para a vida toda.
Portanto, a conclusão é: não gaste sua energia questionando-se se você é feliz ou não. Em vez disso, concentre-se em responder: “Como posso ser mais feliz?”. É o progresso que nos traz o sentimento de alegria, prazer, realização e propósito que representam a felicidade e este deve ser um processo contínuo e indeterminado.

Gostou? Então, acesse agora: www.paulomachado.com para saber mais.