Posts

“Ó Divina Providência, eu não peço por mais riquezas, mas por mais sabedoria, com a qual farei um uso mais sábio das riquezas que Você me deu ao nascer, que consiste no poder de controlar e dirigir minha própria mente para quaisquer fins que eu desejar.”

Napoleon Hill (1883 – 1970)

Gostou? Então, acesse agora: www.paulomachado.com para saber mais.

Andrew Carnegie nasceu em Dunfermline, na Escócia, em 1835. Filho de pais muito pobres, ele se mudou para os Estados Unidos e, aos 12 anos, começou a trabalhar em uma fábrica ganhando apenas 1 dólar por semana.

Dali, deu-se início a uma das maiores ascensões no mundo dos negócios já vistas na história e Andrew Carnegie tornou-se o homem mais rico de todos os tempos.

Para se ter uma ideia, em valores corrigidos para os dias de hoje, sua fortuna seria avaliada em 400 bilhões de dólares (1,5 trilhão de reais), cinco vezes maior que a de Bill Gates.

Como era um homem generoso, ele utilizou esse dinheiro para construir várias obras importantes para a posteridade como a conceituadíssima Universidade de Carnegie Mellon e o grande Carnegie Hall em Nova Iorque.

Mesmo assim, seu maior legado para a humanidade não foi nem o dinheiro que deixou após sua morte e nem os bens materiais e sim algo muito mais precioso.

Ele deixou uma ideia.

Uma ideia que seria capaz de transformar a vida de muitas pessoas após sua morte e que nasceu de uma profunda frustração que Andrew Carnegie carregava dentro de si. Ele dizia: “É uma pena que a cada nova geração as pessoas tenham que perseguir o sucesso através de tentativa e erro quando os princípios para se chegar lá são tão evidentes.”.

Ele acreditava que deveria haver um “denominador comum” entre todas as pessoas de sucesso, como uma espécie de fórmula ou conjunto de princípios que pudessem ser replicados por qualquer um que tivesse a atitude e disposição necessárias.

Para Andrew, estava claro que existiam padrões bem específicos que todos aqueles bem-sucedidos seguiam e que os conduziam à prosperidade. Ele só precisava encontrar uma maneira de comprovar isso.

Então, ele pensou:

“Se eu fosse capaz de entrevistar um universo grande o bastante de pessoas extremamente bem-sucedidas esses padrões não teriam como ficar ocultos. Com uma investigação minuciosa eles poderiam ser finalmente identificados e comprovados.”.

Porém, ele já se encontrava em idade avançada e, para ter a validade desejada, ele determinou que esse estudo não poderia durar menos de duas décadas. Afinal, o objetivo era estudar o “verdadeiro sucesso”, aquele capaz de resistir à prova do tempo.

Então, para isso, ele precisaria de alguém que fosse de sua confiança para levar adiante o seu projeto.

Foi aí que, por uma dessas estranhas coincidências do universo, em uma entrevista, ele conheceu um jovem jornalista, de apenas 19 anos, chamado Napoleon Hill. Nesta ocasião, ele viu um brilho diferente nos olhos do rapaz e resolveu lhe propor o desafio dando-lhe exatos 60 segundos (sem que ele soubesse disso) para decidir se aceitaria ou não.

Napoleon Hill aceitou na hora e dedicou os próximos 20 anos de sua vida entrevistando e investigando pessoas de sucesso a fim de isolar e identificar os padrões e princípios que os levavam a essa vida.

Entrevistou mais de 16.000 pessoas sendo que 500 delas estavam entre as mais ricas e influentes do século XIX nos Estados Unidos. Eram personalidades como o Presidente americano Theodore Roosevelt, Thomas Edison, Henry Ford, Alexander Grambell, John Rockfeller e várias outras.

O resultado de todo esse trabalho foi um dos livros mais estudados no mundo chamado “A Lei do Triunfo”, publicado em 1925.

Andrew Carnegie nunca chegou a ver o resultado final de seu grande projeto, pois houvera morrido seis anos antes. Mas, seu legado permanece vivo até hoje. Graças a ele, surgiu uma nova forma de pensar. O lançamento do livro deu início a uma nova era onde o sucesso passou a ser estudado através de um ponto de vista científico.

“Se você tem a meta de alcançar um milhão de dólares e triunfa, seu maior prêmio não será o dinheiro, mas a sua transformação pessoal, a pessoa que você teve que se tornar para chegar lá.”
Andrew Carnegie

Apesar do dinheiro ser uma parte importante, é fundamental ressaltar que o objeto desse estudo não foi apenas o sucesso financeiro, mas o sucesso em sua concepção mais ampla, entendido como a capacidade de um indivíduo de alcançar a excelência de si mesmo, de transformar sua vida naquilo que sempre sonhou e de contribuir de uma maneira significativa para o mundo ao seu redor.

O que Napoleon Hill concluiu e comprovou empiricamente foi que existem padrões bem determinados, que acabaram ficando evidentes ao longo de todo o seu trabalho, que pessoas de sucesso seguem para construir uma vida extraordinária. Ou seja, o sucesso nunca é fruto do acaso. Ele é sempre o resultado de um esforço inteligente.

Mas quais são, afinal, esses princípios que conduzem uma pessoa a uma vida de sucesso?

Gostou? Então, acesse agora: www.paulomachado.com para saber mais.